Motricidade Online [17º Aniversário]

...Portal dos Professores e Profissionais de Educação Física e Desporto.

  • Aumentar o tamanho da fonte
  • Tamanho padrão da fonte
  • Diminuir tamanho da fonte
  • Motricidade Online
  • Motricidade Online
  • Motricidade Online
  • Motricidade Online
  • Motricidade Online
  • Motricidade Online
  • Motricidade Online
  • Motricidade Online

Educação Física e qualidade de vida: que relação é esta?

Enviar por E-mail Versão para impressão PDF
AddThis Social Bookmark Button
 

EDUCAÇÃO FÍSICA E QUALIDADE DE VIDA: QUE RELAÇÃO É ESTA?

Canfield, M.S.; Hopf,A× C.; Jaeger,A× A× e Neuenfeldt,D.J.

Universidade Federal de Santa Maria, RS, Brasil

1 - Introdução

A Educação Física, enquanto profissão, tem sido ao longo do tempo associada à saúde, à qualidade de vida das pessoas. Nesta perspectiva, caberia ao profissional da Educação Física o papel de promotor da saúde. Em muitos congressos, periódicos, estudiosos tem-se manifestado favoráveis a esta ser uma das atribuições a ser assumida por nós profissionais da Educação Física.

Muito tem-se discutido a cerca de padronizar um entendimento sobre o termo qualidade de vida, e também determinar mais precisamente como alcançá-la em diferentes âmbitos da sociedade. Em um desses âmbitos se encontra a escola, perspectivando através do ensino (de suas disciplinas) argumentar significativamente o alcance de uma melhor relação do ser humano com o mundo. Dentro desta discussão, tem-se debatido a questão dos conteúdos e o papel da disciplina de Educaçã é muito subjetiva no sentido de que ela depende de como cada ser humano percebe o seu mundo (cotidiano), de como os fatores individuais são vivenciados por uma pessoa, comunidade e/ou país.

Em termos de nação, Novaes (1997) associa a dependência da qualidade de vida no Brasil à educação, pois acredita que ela ajuda a evitar doenças, sendo determinante do estilo de vida das pessoas, representando o melhor caminho para a ascensão social, através de novas oportunidades.

Observa-se a vinculação do termo qualidade de vida às expressões "saúde" e "estilo de vida". Neste sentido, tem-se procurado definir o que seja saúde. De acordo com Guedes & Guedes (Barros et al,1997), saúde é uma condição humana com dimensões física, social e psicológica, cada uma caracterizada por um "continuum" com pólos negativos e positivos. Nesta perspectiva, o termo saúde deixa de ser relacionado principalmente a ausência de doença, conceito este que era anteriormente adotado pela Organização Mundial de Saúde (OMS).

Em relação ao termo "estilo de vida" seu significado estaria voltado aos hábitos de vida que se fazem presentes no cotidiano de cada pessoa. Neste sentido, Nahas (1997) cita o estilo de vida como sendo um dos fatores modificáveis que podem alterar a qualidade de vida como as características alimentares, a forma como lidamos com o estresse e o nível de atividade física habitual.

Dentro desta perspectiva tem crescido a discussão em torno do papel que a Educação Física possa assumir no sentido de intervir na adoção de um estilo de vida fisicamente ativo. Andrews (1990) ao discutir os programas de Educação Física em escolas e a necessidade de educação para um estilo de vida ativo no século XXI aponta a necessidade de aumentar, nas aulas de Educação Física, o envolvimento de crianças e jovens em atividades físicas vigorosas e estabelece o aumento no número de aulas de Educação Física como meta a ser objetivada pelos profissionais dessa área. O que se pretende, segundo alguns autores, é resgatar no contexto educacional a prática da atividade física como meio de promoção de saúde.

Devide (1996) enfatiza a importância do trabalho comunitário na promoção da saúde, entendendo que tem que haver a desmedicalização, já que a saúde não é problema somente médico e sim de diversos campos do conhecimento, envolvendo diversos profissionais como médicos, enfermeiros, assistentes sociais, professores, sociólogos, psicólogos, nutricionistas, etc.

 

2 - Passos Metodológicos

A partir destas considerações buscou-se questionar profissionais da Educação Física (n=66) da cidade de Santa Maria - RS - BRASIL, que atuam em escolas, clubes, academias sobre o entendimento que têm destes termos, se fazem relação entre qualidade de vida e Educação Física e o papel que o professor deva desempenhar nesta relação.

Foi utilizado um questionário com 03 questões fechadas em relação a dados pessoais sobre sexo, local (is) de trabalho e tempo de atuação profissional e 05 questões abertas em relação ao conhecimento dos termos. Os questionários foram entregues pessoalmente a cada professor sendo solicitado que retornassem após seu preenchimento.

 

3 - Resultados

De uma perspectiva geral, evidenciou-se ser a fronteira de entendimento destes três termos, frágil, havendo uma interligação nas suas conceituações.

O termo saúde é entendido como sendo um bem-estar do indivíduo, no seu sentido mais amplo, que envolva equilíbrio físico, mental e social (52,7%), não havendo a presença de doenças (24,4%) de maneira que tenha disposição para enfrentar o dia a dia (10%), acarretando em satisfação pessoal.

O conceito de saúde com o passar dos anos passou de ausência de doenças, para um estado um completo bem estar físico, mental e social (OMS). Portanto, para Harris (apud Devide,1996) a saúde não é uma condição estática, ou seja, ligada somente a ausência de doenças, mas um processo de aprendizagem, tomada de decisão e ação para a otimização do bem estar próprio. Guedes e Guedes (1995) chamam a atenção para o fato de que o estado de ser saudável não é algo estático, mas que deve ser adquirido de forma individualizada, constante ao longo de toda a vida.

Estilo de vida é o viver diário de cada indivíduo, seus costumes e hábitos (82,7%), que para alguns é entendida como sendo opcional, decidido pela pessoa conforme suas condições e hábitos, sendo peculiar de cada um (12%).

Piéron (1997) cita alguns benefícios psicológicos associados por um estilo de vida ativo, entre eles o aumento do bom humor, redução do estresse, auto-conhecimento mais positivo e mais alta qualidade de vida.

A qualidade de vida está associada ao fato da pessoa possuir um estilo de vida com hábitos saudáveis (46%), que lhe garanta bem estar (16%), possuindo condições econômicas, oportunidades de lazer, diversão e convivência familiar e social, com acesso à educação e cultura (27,8%). Uma boa alimentação (5,8%) e a prática de atividade física regular (4,4%) também foram associados à uma boa qualidade de vida.

Com exceção de 02 professores, que não vêem como necessário fazer Educação Física ou praticar esporte para ter qualidade de vida, o restante dos profissionais (97%) entende que Educação Física está intimamente relacionada à qualidade de vida das pessoas, pois acreditam que contribui para uma boa qualidade de vida (30%), proporcionando saúde (19,7%), bem estar (18,2%), lazer e possibilidades de sociabilização (13,6%) levando as pessoas a adquirirem hábitos positivos de vida (10,6%). Alguns destes professores (12%) estreitam esta relação ao nível de uma dependência direta, pois pensam que quem tem qualidade de vida é porque possui o hábito de praticar atividade física.

Para isso, o papel do profissional de Educação Física é visto como sendo o de conscientizador da importância e dos benefícios da prática de atividades físicas (37,5%) para que as pessoas venham a ter um estilo de vida fisicamente ativo, que contribua para o seu bem-estar, tornando-se um hábito permanente. Cabe a estes professores a responsabilidade de orientarem as pessoas na forma correta de praticarem atividade física (23,7%), motivando-as (10%), mostrando aspectos positivos na promoção da saúde (15%). A saúde é entendida por Guedes & Guedes (1995) como sendo de domínio educacional e por isto deve ser tratada dentro de um contexto didático-pedagógico.

Ao se buscar uma relação entre estas questões, percebe-se que os professores questionados entendem que qualidade de vida é a pessoa ter um estilo de vida saudável, que lhe proporcione bem estar, o que é entendido como saúde. Portanto, a palavra chave para estes profissionais é "bem estar". Cabe a nós, profissionais de Educação Física, contribuir na qualidade de vida das pessoas, assumindo o papel de educador, conscientizando e orientando as pessoas a virem assumir um estilo de vida ativo fisicamente.

Para Siedentop (1996), o valor da prática da atividade física entende que o ideal é que a pessoa valorize a atividade quando organize sua vida de forma que o envolvimento seja regular no decorrer da sua vida de forma que incorpore esta participação no seu dia-a-dia mesmo em detrimento do ter que abrir mão de outros compromissos.

Nahas, Pires, Waltrick & Bem (1995) colocam que para a Educação Física vir a influenciar na aquisição de hábitos de vida que incluam a prática de atividades físicas regulares após o término da escolaridade formal seria necessário: proporcionar a aquisição de conhecimentos sobre a atividade física par a o bem estar e a saúde em todas as idades; estimular atitudes positivas em relação aos exercícios físicos e a prática esportiva; proporcionar independência para avaliar e escolher as atividades, e oportunizar experiências de atividades físicas agradáveis, estimulantes.

Enquanto educador, o professor de Educação Física deve estar atualizado ao conceito multifatorial de saúde para que tenha argumentos consistentes, e condições de ampliar e relacionar o compromisso da Educação Física para além da esfera da aptidão física (Devide,1996).

 

4 - Referências Bibliográficas

ANDREWS, J.C. (1990). Educação para um estilo de vida ativo no século XXI. Revista Brasileira de Ciência e Movimento, 04,04.

BARROS, M.V.G. de; CUNHA, F.J. de P. & SILVA JÚNIOR, A. G. da. (1997). Educação Física Escolar na perspectiva da promoção da saúde: um estudo de revisão. Revista Corporis, Ano II, 2,Jan/dez,

DEVIDE, F.P. (1996). Educação Física e saúde: em busca de uma reorientação para a sua práxis. Movimento, Ano III,05.

GUEDES, J.E.L.B. & GUEDES, D.P. (1995). Atividade física, aptidão física e saúde. Revista de Atividade Física e Saúde, 1,1.

NAHAS, M. (1997). Atividade física como fator de qualidade de vida. Artus - Revista de Educação Física e Desporto, 7, 1, Dez,

NAHAS, M.; PIRES, M.C.; WALTRICK, A. C.A. & BEM, M.F. (1995). Educação para atividade física e saúde. Revista de Atividade Física e Saúde, 1,1,

NOVAES, E. (1997). Qualidade de vida - Atividade física, saúde e doença. Artus -Revista de Educação Física e Desporto, 7,1,Dez,

PIÉRON, M. (1997). Qualidade de vida e estilo de vida de jovens. Artus - Artus - Revista de Educação Física e Desporto, 13,1,p.30.

SIEDENTOP, D. (1996). Valuing the physical active life: contemporary and future directions. Quest, 48,266-274.

 

 

Novidades por email

Receba gratuitamente informações sobre cursos, eventos, ... Indique o seu email:

(depois de "Subscribe" entrar no seu email para confirmar)